Subscribe:

segunda-feira, 26 de setembro de 2011

DISCRIMINACAO RELIGIOSA

Uma ação judicial inédita, por discriminação religiosa, tramita na 8ª Vara Federal, movida por um  ex-membro das testemunhas de Jeová, Sebastião Ramos de Oliveira. O funcionário público do Ceará é um homem de fé e foi das TJ por dez anos, ocupando um cargo equivalente à cooperador na CCB, abaixo de ancião. Foi julgado por uma comissão de anciães por causa de um erro e excluído.
Segundo o seu relato, a desassociação  de um TJ é pior do que a excomunhão católica, pois os membros, amigos e familiares são orientados a evitar qualquer tipo de relacionamento  e sequer falar com o mesmo, sob pena de serem também cortados.  Não podem nem cumprimentar com um “oi”.
"Minha irmã e meu sobrinho são Testemunhas de Jeová. Mas desde então eu não posso ir mais à casa dela, só conversamos sobre assuntos domésticos. Foi horrível porque ela era uma grande amiga", lamenta.
Sebastião relata que é muito doloroso para o membro que construiu laços de amizade no grupo, e de repente é obrigado a cortar estes laços por conta da desassociação ou mudança de Igreja.  Evidentemente,  ocorre o isolamento e muitos problemas psicológicos  devido a esta pressão social.
Além da ação civil pública, Sebastião move ação contra dois líderes TJ por ameaça.  A notícia não é muito clara a respeito desta ameaça de que, se ele não se calasse, morreria em poucos dias. Suponho que seja algo parecido com as profecias de maldição.
A procuradora da República Nilce Cunha Rodriguez, autora da ação, entende que a atitude das TJ contra os desassociados e os dissociados (que pedem o desligamento voluntário da congregação) afronta princípios constitucionais, como a dignidade humana, a proteção à família, além das liberdades de associação e de crença.

"O Estado não pode nem quer interferir na liberdade de crença. Mas a forma como esta ou aquela religião se expressa é limitada pelos direitos fundamentais, garantidos pela Constituição. No meu entendimento, quando os acusados instituem uma série de proibições e sanções para impedir o relacionamento de seus membros com desassociados e dissociados, isto configura discriminação".
A procuradora entende que os membros possam se afastar do ex-membro, não por decisão própria, mas por medo de serem desligados.
***
O caso deste senhor da TJ serve para refletirmos que o mundo em que vivemos atualmente, não é o mesmo de 50 anos atrás, quando membros  eram excluídos das igrejas,  geralmente por pecados sexuais, e tinham seus nomes anunciados publicamente na tribuna. Eram condenados a sentarem-se no ultimo banco da igreja e a saírem sem saudar os membros.
Também houve época, em que aqueles que´"pecavam" também eram evitados por familiares e alguns até deixavam a casa dos pais. Sabemos que isso era fruto de uma época onde a moral da sociedade em geral era rígida e os pais expulsavam de casa a filha que aprontava. 
Os tempos mudaram, sabemos que hoje na nossa igreja não se fala mais no púlpito, o nome de quem perde a liberdade e muitos excluídos tem uma vida social onde é dificil saber o que lhe aconteceu, a menos que seu delito seja do conhecimento de todoas. Alguns excluídos até recuperam  a liberdade,  mas ainda há muitos irmãos sofrendo pelos erros que cometeram no passado e nunca lhes restituíram a liberdade um dia perdida.
É preciso muita cautela ao excluir membros, pois hoje tudo dá processo, até profecias de maldição,   dizendo que alguém irá morrer. A CCB já emitiu ensinamento proibindo  este tipo de pregação há muito tempo e se alguém ainda prega isto, está em desobediência aos ensinamentos. 
As pessoas estão mais esclarecidas e não se submetem mais a humilhações públicas,  sob argumentos religiosos radicais e muitos estão levando a instituição e ou líderes aos tribunais.  Só isto já é razão para que se prepare melhor  aqueles que  possuem cargos de liderança na igreja, para evitar que o povo tenha que pagar multas,  por erros dos seus líderes e acima de tudo, que mostrem o  verdadeiro sentido de ser um cristão, que é amar a Deus sobre  tudo e o próximo como a si mesmo. 

Obs.:  Apenas publiquei conforme os fatos narrados em notícia do Diário do Nordeste, sem entrar no mérito da ação, e não tendo o objetivo de criticar ou difamar  os Testemunhas de Jeová.

2 comentários:

Hélio disse...

Conheci uma testemunha de Jeová que havia se batizado na CCB, quando sua mãe ficou sabendo expulsou ela de casa.

Em contrapartida conheço muitos casos de ex-membros da CCB que resolveram migrar para outras denominações e hoje são considerados como apóstatas, caídos e pecadores, não importa o que eles fizeram ou deixaram de fazer e menos ainda importa o tipo de lugar onde eles estão servindo a Deus.

Não é muito diferente do primeiro caso não.

Irmão Valdeci, com todo respeito.

Os membros da denominação que freqüentamos continuam agindo como partidários de uma religião, prontos para sepultar e condenar todos aqueles que deixarem nossas "augustas fileiras".

O pensamento de que "estar na graça de Deus é equivalente a ser membro da CCB" ainda é MUITO COMUM em nosso meio, portanto, nada mudou.

Deus te abençoe

Valdeci disse...

Sim, é verdade irmão Hélio, apesar das mudanças, na mentalidade de muitos ainda somos os únicos a sermos salvos.

Deus abençoe.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...