Subscribe:

sábado, 1 de outubro de 2011

Bebida Alcoólica Proibição

No meio evangélico há uma grande polêmica envolvendo o uso do vinho e também de bebidas alcoólicas.  Alguns defendem que não podemos beber  nenhuma bebida alcoólica e algumas igrejas até  utilizam suco de uva na Ceia do Senhor .  Outros defendem que o vinho usado por Jesus na ultima ceia era vinho fermentado mesmo e não vêem problema em beber  moderadamente.
O debate é longo, e muitos estudiosos se esforçam para encontrar na Bíblia o apoio para suas teses, seja nas citações bíblicas, na interpretação das palavras, na análise textual e exegética das passagens. Fazem malabarismo para tentar provar que a Bíblia condena o uso de qualquer bebida alcoólica e cometem erros absurdos, como o teólogo Gary Fisher, que disse que Jesus transformou água em suco de uva porque foi feito na hora. É como dizer que Jesus pegou uvas frescas e as transformou em suco.
Não há na Bíblia, uma proibição explícita ao consumo de vinho ou bebida alcoólica.  O que está muito claro no texto bíblico, desde os tempos do Antigo Testamento é a condenação à embriaguês e ao vício.  Há diversos estudos na rede citando as passagens que condenam o excesso na bebida e quem lê a Bíblia já deverá ter lido no Novo Testamento os conselhos de Paulo para não se embriagar e  que aqueles que se entregam a embriaguez não herdarão o Reino dos Céus (1 Coríntios 6 : 10; Gálatas 5: 21)
Não estou  escrevendo para incentivar ninguém a beber vinho, cerveja ou outra bebida.  Quero apenas dizer que a Bíblia é nossa regra de fé e prática e ela recomenda, além da moderação, que não escandalizemos nosso irmão por quem Cristo morreu .  Não há argumentos suficientes para condenar quem sabe beber com moderação o seu vinho ou cerveja.  Não podemos determinar o que o outro deve ou não beber.
Por outro lado,  cada ato traz uma consequencia e o consumo de pequena quantidade de bebida alcoólica pode ser a porta de entrada para o vício do alcoolismo, que tantos males tem causado  à própria pessoa, a família, amigos e a sociedade em geral.  Aquele que bebe socialmente, nunca admitirá que poderá se tornar um alcoólatra, assim como os que experimentam outras drogas. 
Qualquer cristão sabe da destruição causada pelo uso exagerado de bebidas alcoólicas, pois os exemplos estão por todo lado.  Muitos evangélicos, porém, tem exagerado na bebida, nas festas de casamento, aniversários, dentre outros eventos, causando escândalos para os que não são crentes.  Estes excessos podem ainda contribuir para aumentar as estatísticas de acidentes de trânsito. 

Acredito que todos nós conhecemos alguém com problemas com a bebida, que começou aos poucos e acabou tornando-se alcoólata. O crente que se deixar dominar pela bebida, acaba trilhando o mesmo caminho  daqueles que não conhecem a Deus, e perde a virtude, fé, santidade, e a presença de Deus torna-se cada vez mais  rara na sua vida.
Nossa Igreja não proíbe o consumo de bebida alcoólica, coerente com o que está na Bíblia.  Vejam este Tópico de Ensinamento de 1970, mas tem outros mais recentes na mesma linha:
Não queremos proibir bebidas; o que é necessário é se alertar contra os abusos. Não comer nem beber demais. Tudo nos é lícito, mas nem tudo nos convém (...).
A Bíblia,  não proíbe, de fato, mas os ministros devem sempre alertar a irmandade sobre o abuso da bebida.  Particularmente eu gostaria que o ministro estabelecesse um diálogo com a irmandade, explicando o porque não é conveniente a bebida, os problemas que causam, etc.  Não precisa gritar que é Deus que está mandando pregar e nem ameaçar como fez um certo cooperador de jovens, dizendo que a cerveja é do diabo, e que aquele que bebe cerveja vai para o inferno. Este irmão foi orientado, pois não é a prática oficial pregar desta maneira. Os irmãos pregam e ensinam, mas cabe a cada membro não ser apenas ouvinte, mas por em prática o que ouviu. 
A vontade de Deus é que sejamos luz no meio das trevas e esta luz não pode ser ofuscada por uma garrafa de bebida. Que sejamos um povo alegre, não pelo efeito desinibidor do álcool, mas porque temos o nosso nome escrito nos céus.  No dia da angústia e da tribulação, ao invés de afogarmos nossas mágoas num copo de bebida forte, que possamos obter o consolo do Espírito Santo.
Deus  abençoe a todos.

3 comentários:

Hélio disse...

Texto equilibrado e sóbrio.

Temo fazer comentários à respeito e ser acusado de "liberal".

Nunca bebi na minha vida, nem sei qual o gosto de cerveja, mas as escrituras em si não condena o consumo moderado de alcool, mas é claro, devemos vigiar.

Deus te abençoe.

Valdeci disse...

Amém, irmão Hélio.

Anônimo disse...

Caros Irmãos APDD.
Se nos não estivéssemos vivendo os dias perigossissimos que estamos talvez pudéssemos realmente estimular um debate mais liberal a respeito das drogas em geral, (pois muitos no mundo hoje já defendem a liberação da maconha etc.), e das bebidas alcoólicas em particular, pois sempre que se inicia um debate sobre bebidas alcoólicas, alguém para enobrecer o argumento busca respaldo bíblico uso do vinho embora a cerveja é tmb muito antiga mas a respeito desta não se fala nada nas santas escrituras. Mas nós sabemos todos que quando desejamos uma aceitação moderada do uso do vinho, é porque em aceitando-se beber moderadamente o vinho, junto com ele vem todas as demais bebidas.
Agora eu concluo este comentário com a seguinte pergunta. E gostaríamos que nós só a respondessemos quando estivermos no último minuto da nossa consciência de nossa vivência (passagem) aqui na terra. Qual foi o melhor conselho que sinceramente demos aos nossos filhos a respeito do uso da bebida alcoólica?
Filho, é melhor você se abster totalmente de bebidas alcoólicas, ou Filho pode sim beber moderadamente. E então depois desapaixonadamente todos vamos discutir caso a casos e verificar quem foi que trilhou o melhor caminho.
No amor de Deus.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...