Subscribe:

sexta-feira, 21 de outubro de 2011

Orgao eletronico e pes

O órgão eletrônico, é um instrumento musical presente em  praticamente todas as Salas de Orações da Congregação Cristã, trazendo muita comunhão aos fiéis, através do som belíssimo que possui.   É um instrumento muito versátil, com muitos recursos que o tornam uma verdadeira orquestra.  É importante o organista saber usar todos os recursos do órgão eletrônico, para que o som seja agradável,  coerente com o ambiente em que se está tocando e o tipo de música para louvor a Deus.
O órgão possui diversos controles, chamados de registros, que  alteram o som, deixando-o mais grave ou mais agudo e com um colorido especial, imitando o som de instrumentos musicais, tais como flautas,  trompetes, violinos, etc. Em linguagem musical se diz que os registros alteram o timbre do som, e timbre é a cor do som.
Há registros para o teclado superior e inferior, e ao lado do nome do registro ou grupo de registros aparecem números como: FLUTE 8’, STRING 4’, etc.
Quem toca um órgão, sabe em que ao usar o registro com um numero 16’, o som se torna mais grave do que o registro 8’ e que o  4’ faz o som ficar mais agudo. Mas o que significa esta notação  4’, 8’, ou 16’, que  nós lemos como:  4 pés, 8 pés, 16 pés?  O que  os pés tem a ver com o som do órgão, muitos desconhecem, e para compreender isto é preciso voltar os olhos para o órgão de tubos, o ancestral mais antigo do órgão eletrônico.

Órgão de tubos
Sydney Town Hall,  Austrália.

O órgão de tubos é um instrumento que produz som pela passagem de ar comprimido (vento) através de tubos, selecionados através de um teclado. Possui múltiplas fileiras de tubos, agrupados em conjuntos chamados de classes, cada qual com um timbre e volume diferente. os maiores órgãos podem ter mais de 20 mil tubos, que podem ser feitos de madeira, metal, etc, e ter diversos formatos. Podem ainda ser abertos ou fechados no topo e alguns possuirem palhetas. 
Tubos e pés
fileiras de tubos

O tom produzido por um tubo é função de seu comprimento, que é dado por uma unidade de medida inglesa chamada  feet, que significa pé e é aproximadamente igual a 30 cm e é inversamente proporcional.  Quanto maior o tubo, mais grave é o tom e se diminuirmos um tubo pela metade, o tom dobrará. O tom de um tubo de 4’ (quatro pés) é uma oitava acima de um tubo de 8’ (oito pés).  Da mesma forma, o tom de um de 2’ é uma oitava acima de um tubo de 4’. Por outro lado, o tubo de 16’ é uma oitava abaixo de um tubo de 8’ e assim por diante para os tubos de 32’ e 64’.  Os comprimentos mais usados em órgãos de tubos são 64’, 32’, 16’, 8’, 4’, 2’, 1’ e ½’, sendo que existem somente dois órgãos de tubos no mundo, que possuem realmente um tubo de 64’ (Sydney Town  hall, na Austrália e o Boardwalk Hall Auditorium Organ, nos estados Unidos).

Registros
registros (stops)
O termo registro refere-se a um conjunto de tubos de uma mesma fileira, com características semelhantes e por isso tem um timbre único. Os controles que acionam as fileiras de tubos também são chamados de registro (stop, em inglês) e cada registro é indicado por um nome, seguido do número da oitava, como, por exemplo, Principal 8’, Clairon 4’, Mixture IV, Flute 16’, etc.
O registro que deixa o som semelhante a oitava central do piano, recebe o número 8’ (oito pés). A numeração de registro 8’ indica que o maior tubo naquela fileira tem 8 pés de comprimento, mais ou menos 2,40 metros. Não significa que todos os tubos daquela oitava tem 2,40m, pois o comprimento deverá variar de alguns centímentros até os 2,40 m, de acordo com a nota musical.  Assim como individualmente o tubo tem um tom mais grave ou mais agudo, dependendo do seu comprimento, a numeração do registro indicará um timbre mais grave ou agudo, como por exemplo: Flauta 16', mais grave que Flauta 8'.
Cada fileira de tubo tem nomes particulares, que dependem de uma série de fatores que vão deste os atributos físicos e o tom dos tubos em que se classificam, ao país e época em que o órgão foi fabricado, a localização física das tubulações dentro do órgão. Cada botão de registro é rotulado com o nome da fileira que ele controla. Isso facilita para o organista na hora de escolher qual fileira de tubos acionar ou interromper.
Famílias
Os registros de um órgão são ainda classificadas em famílias, que podem ser quatro, cinco ou mais. As mais comuns são:  principal, flauta (flute), cordas (string) e palhetas (reed). A categoria principal, é aquela que não imita algum instrumento conhecido da orquestra, mas representa o som exclusivo e característico de um órgão de tubos,  o órgão litúrgico, associado á música tradicional da igreja. Estes registros podem receber nomes como principal, diapasão, oitava, super-oitava, mistura, etc. As demais famílias procuram imitar alguns instrumentos ou indica uma mistura de várias famílias.  
Órgão eletrônico
Através de diversos avanços tecnológicos, os fabricantes oferecem hoje uma imensa gama de registros e recursos digitais nos órgãos eletrônicos, permitindo ao organista variar ou criar muitas  combinações de sons, mas é preciso estudo, dedicação e sensibilidade musical para saber escolher os registros mais adequados para tocar hinos de louvores a Deus.
comumccb.blogspot.com
fonte: wikipedia

0 comentários:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...