Subscribe:

domingo, 2 de dezembro de 2012

Deus seja louvado no dinheiro


"Deus seja louvado" é uma expressão encontrada na parte inferior esquerda de todas as cédulas de real atuais no Brasil. Muitas pessoas jamais prestaram atenção nesta expressão, mas ela existe desde a década de 1980, quando o então presidente da república, José Sarney, mandou que ela fosse incluída na moeda cruzado. 

Recentemente, uma ação do Ministério Público de São Paulo, busca remover do dinheiro esta expressão. O argumento principal é de que o Estado brasileiro é laico e deve manter-se neutro em questões religiosas. No pedido feito à Justiça Federal, a procuradoria argumenta que a frase "Deus seja louvado" privilegia uma religião em detrimento das outras. 


"Imaginemos a cédula de real com as seguintes expressões: 'Alá seja louvado', 'Buda seja louvado', 'Salve Oxóssi', 'Salve Lord Ganesha', 'Deus não existe' - afirma trecho da ação, assinada pelo procurador regional dos Direitos do Cidadão, Jefferson Aparecido Dias. Com certeza cristalina haveria agitação na sociedade brasileira em razão do constrangimento sofrido pelos cidadãos crentes em Deus", ressalta.

O Banco Central  não vê problema na expressão, pois considera a expressão genérica. Além disso, no preâmbulo da Constituição brasileira, consta que ela foi promulgada “sob a proteção de Deus”. O procurador, apela para a Constituição, (promulgada sob a proteção de Deus) para retirar o nome de Deus do papel moeda.

O presidente José Sarney, como autor desta façanha,  manifestou-se contrário a esta ação, dizendo “Eu acho que é uma falta do que fazer, porque, na realidade, precisamos cada vez mais ter a consciência da nossa gratidão a Deus por tudo o que ele fez por todos nós humanos e pela criação do universo. Nós não podemos jamais perder o dado espiritual. Eu tenho pena do homem que na face da terra não acredita em Deus”, disse.

Diversas lideranças cristãs e políticos se manifestaram, criticando esta ação do procurador. O pastor Ciro Zibordi, ironizou a iniciativa, levantando a questão: "Se o estado é laico, como eles advogam, que não haja mais nenhum feriado ou comemoração religiosa no Brasil. Não seria bom para todos eliminar o calendário católico, em nome da laicização? Imagine o que aconteceria com o comércio, se não houvesse mais os dias de N.S. Aparecida, Páscoa, Finados e Natal”.

Zibordi ainda questionou a relevância da iniciativa, e eventuais resultados práticos desse requerimento: “Ironias à parte, será que todo esse empenho em laicizar o Estado tornará o Brasil melhor? Será que a “relevante” conduta do MPF contribuirá para a diminuição dos índices de homicídio nas grandes cidades, melhorará a educação, a saúde pública e o trânsito, bem como tornará o nosso país mais civilizado?”.

Nesta mesma linha de raciocínio, apelando para a laicização do estado, o procurador deveria entrar com uma ação para retirar a expressão "promulgada sob a proteção de Deus" da Constituição; mudar os nomes das cidades que homenageiam personalidades ou santos do cristianismo; retirar das cidades as estátuas e  símbolos cristãos, começando pelo Cristo Redentor no Rio de Janeiro.

Retirada

Em 12 de novembro, a Procuradoria Regional dos Direitos do Cidadão pediu à Justiça Federal que determinasse a retirada da expressão “Deus seja louvado” das cédulas da moeda nacional, definindo um prazo de 120 dias para o BC parar de imprimir moeda usando a expressão.

Na quinta-feira desta semana, a justiça de São Paulo deu uma freada nesta ação. A juíza federal Diana Brunstein argumenta na decisão que “não foi consultada nenhuma instituição laica ou religiosa não cristã que manifestasse indignação perante as inscrições da cédula e não há notícia de nenhuma outra representação perante o Ministério Público neste sentido. Entendo este fato relevante na medida em que a alegação de afronta à liberdade religiosa não veio acompanhada de dados concretos, colhidos junto à sociedade, que denotassem um incômodo com a expressão ‘Deus’ no papel-moeda”.

A decisão é provisória e segue o curso normal dos processos, pois a juíza entendeu que não se trata de assunto urgente. 

Segundo o que aprendi, o uso desta expressão no dinheiro, representa  o uso em vão do nome de Deus e só por este motivo deveria sim, ser retirada. O pastor alegou que a retirada da expressão não traz nenhum benefício à sociedade. O mesmo se pode dizer da manutenção. Desde a inclusão, o que se pode dizer de melhora nos indicadores sociais? Só aumentaram os problemas na saúde, a criminalidade e a roubalheira. Mesmo que tenha havido melhora em alguma área social, não se pode atribuir ao "Deus seja louvado" no dinheiro. O dinheiro sempre está no centro de todos os problemas do país. Uma das cenas mais deploráveis que já se viu na TV,  foi aquela em que políticos evangélicos oram e agradecem pela propina recebida. Propina com o nome "Deus seja louvado". 

Falta do que fazer tinha o sr José Sarney na época em que resolveu mandar escrever "Deus seja louvado" no dinheiro. Naquela época tínhamos um grande problema pra ele se ocupar, que era a inflação altíssima e ele fracassou em contê-la.

A gratidão a Deus por tudo o que Ele faz por nós, devemos expressar no nosso dia-dia, no respeito e amor pelo semelhante, traduzida nos menores gestos da nossa vida, coisa que a maioria destes políticos não fazem.  Não é a expressão contida no dinheiro que irá mudar os corações e mentes de cada pessoa. 

fontes: 







0 comentários:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...